HISTÓRIA GERAL

4.2 Babilônia

4.2 Babilônia

Após o declínio Sumério, a Mesopotâmia foi invadida por vários povos. No século XIX a.C., os amoritas, também conhecidos como Amorreus, invadiram e unificaram a região sob um domínio e estabeleceram sua capital na Babilônia, atribuindo assim o nome do Império. A grande parte da população na Mesopotâmia ainda era suméria ou acádia. É inevitável então que a cultura destes povos haja influenciado sobremaneira a Babilônia, ainda que o idioma babilônico fosse um pouco diferente.

Foi apenas no século XVIII a.C., no meio de muita instabilidade política, que a Babilônia conseguiu se firmar como Império. Um rei, denominado Hamurábi, unificou a região militarmente e ainda impôs um código de leis bastante restrito e rigoroso que ficou conhecido pelo nome de seu promulgador. O Código de Hamurábi tem 282 leis que tratam de negócios, roubo, assassinato, casamento, difamação, dentre outros temas. As penas eram duras e, não raro, o desvio das leis era punido com a morte.

Mas o falecimento de Hamurábi criou um vácuo de poder. As cidades voltaram a se fragmentar e desenvolver seus governos regionais. Essa situação favoreceu a invasão Assíria.

O domínio Assírio na região durou 600 anos (XIII a.C. – VII a.C.). É admirável que um império mal administrado durasse tanto tempo. Assiriólogos sugerem que o fato de o exército assírio ser uma verdadeira máquina de guerra possibilitou a longa duração do Império.

Nabopolassar, que havia governado uma província na Babilônia sob o comando dos Assírios, aproveitou-se da desordem política e administrativa assíria e liderou uma insurreição que culminou no II Império Babilônico.

Nabopolassar governou a Babilônia como Império da Mesopotâmia unificada entre 625 a.C. a 605 a.C. e foi substituído, após sua morte, por seu filho, Nabucodonosor II.

Foi durante o governo de Nabucodonosor que o II Império Babilônico viveu seu auge. Construções gigantescas, requinte, canais, portões, tudo fazia lembrar a riqueza da Babilônia. Nabucodonosor teria presenteado sua esposa com um Zigurate com jardins plantados em toda a sua extensão, mais conhecido como os “jardins suspensos da Babilônia”.

Em 539 a.C., durante o governo de Nabonido, que administrava o Império auxiliado por seu filho, supostamente Belsazar, a Babilônia foi invadida pelos persas. Chagava ao fim o Império Neo-Babilônico.