HISTÓRIA GERAL

7. Fenícia

7. Fenícia

Os fenícios eram um povo cuja origem remonta, até onde se pode conhecer, ao terceiro milênio antes de Cristo. Os fenícios habitavam a atual região do Líbano e, considerando a situação pouco favorável do solo à prática da agricultura, os fenícios desenvolveram-se no comércio. Sabe-se que desenvolveram a metalurgia ao ponto, inclusive, de desenvolverem moedas.

Produziam vidro de boa qualidade, bem como cerâmica. Tecidos tingidos com Múrex, que proporcionava a cor púrpura, ou um roxo vibrante, e outros produtos diversos.

Os fenícios não eram um Império centralizado, tinham pólis espalhadas pelo sul da Europa, até a Península Ibérica e também a costa africana, do norte até o litoral do Atlântico. Ali estabeleceram uma cidade que, futuramente também seria uma grande potência comercial no Mediterrâneo – Cartago. Desenvolveram barcos como o birreme para deslocarem-se com maior velocidade e usavam o cedro como matéria prima para a atividade náutica.

O auge da civilização fenícia é, normalmente atribuído aos séculos XIV a.C. a VI a.C., quando estiveram no auge as cidades de Tiro, Sidon e Biblos. O fato de serem pólis independentes provocava rivalidades que, não raro, geravam conflitos interna e externamente. Esses conflitos proporcionaram condições para o enfraquecimento dos fenícios que, apesar de diminuírem suas atividades comerciais, nunca deixaram de existir, mesmo após as ocupações de babilônicos, persas e gregos.

Em se tratando de sociedade, sabe-se que as cidades fenícias tinham reis e que, abaixo desses reis havia uma densa elite religiosa. Só então apareciam os comerciantes, artesãos e demais indivíduos. Frequentemente os fenícios são associados ao culto de uma de suas principais divindades: Baal, deus da agricultura e da chuva. Durante os cultos à Baal poderiam haver sacrifícios de crianças e normalmente matava-se um bezerro que era cozido em leite, uma espécie de pré-strogonoff da antiguidade oriental.

Os fenícios ainda desenvolveram um alfabeto denso, sem vogais, mas fonético. Esse alfabeto influenciou diretamente a constituição da escrita grega que, por sua vez, influenciou o desenvolvimento do alfabeto latino, utilizado no mundo Ocidental no presente.

Sobre o contato com os gregos, os fenícios teriam realizado comércio com os cretenses e, posteriormente com a civilização Minóica, deixando na região um legado comercial e cultural, mas, de acordo com pesquisas recentes, não deixaram legado genético, ou seja, não chegaram a estabelecer uma pólis na região.