HISTÓRIA DO BRASIL
ESCOLHA UM TÍTULO

18.05 A GUERRA DO PARAGUAI - 1864 A 1870

18.05 A GUERRA DO PARAGUAI - 1864 A 1870

Para entender a Guerra do Paraguai, é fundamental compreendermos que o Brasil sempre desejou manter papel de preponderância na América Latina. A Guerra do Paraguai foi provocada pelo fato de esse domínio ser ameaçado.

A princípio, o que no Brasil é chamado de Guerra do Paraguai, foi causada por interferência brasileira nos assuntos uruguaios! No Uruguai, a disputa política ficava entre blancos e colorados. Os colorados, no governo do país até 1860, favoreciam a entrada de brasileiros no país. Estes, equivaliam a 10% da população e eram donos de cerca de 30% do território uruguaio. Quando Bernardo Berro, do Partido Blanco, assumiu a presidência em 1860, resolveu ser mais duro em sua política com os brasileiros. Dificultou o estabelecimento de brasileiros no país, aumentou os impostos sobre o comércio de gado na fronteira e proibiu o uso de escravos. Os brasileiros passaram a ter seus negócios muito prejudicados na região. Em contrapartida, os uruguaios aproximaram-se do Paraguai. Solano López, ditador paraguaio, necessitava de um caminho para o Oceano e o Partido Blanco era simpático à ideia de permitir a saída dos paraguaios para o Atlântico via Bacia do Prata.

Em 1864, o Partido Blanco venceu mais uma vez as eleições e assumiu a presidência Atanásio Aguirre, que manteve sua proximidade com o Paraguai, em detrimento dos interesses brasileiros, e mesmo argentinos.

O Brasil, por sua vez, já intervira na política Argentina em 1851, ao derrubar o governo de Juan Manuel Rosas que se negava a aceitar a independência paraguaia. A deposição de Rosas trouxe ao poder na Argentina Bartolomeu Mitre que passou a ser aliado do Brasil. Ou seja, não era novidade para D. Pedro II interferir na política interna de seus vizinhos. Com a prerrogativa de defender os interesses dos brasileiros que moravam no Uruguai, D. Pedro II fechou o porto de Montevidéu. Atanásio Aguirre foi deposto e correu para o Paraguai, enquanto Venâncio Flores, do Partido Colorado foi alçado ao poder. O Brasil e a Argentina articularam um golpe no Uruguai e foram bem-sucedidos.

Solano López, entretanto, precisava da Bacia do Prata para escoar sua produção e tinha problemas de fronteira com a Argentina e o Brasil. López chegou a sequestrar um navio brasileiro, mas a imposição do partido colorado no Uruguai levou o ditador paraguaio a uma ação mais ostensiva contra o Brasil. López invadiu as terras em litígio no Mato Grosso. Argentina, Brasil e o Uruguai de Flores uniram-se então contra o Paraguai, formando a Tríplice Aliança.

A Guerra foi longa apesar de rapidamente ter encontrado seu destino. O Paraguai foi rapidamente derrotado, mas D. Pedro II fez da morte de López seu objetivo pessoal e não aceitou a volta do Exército brasileiro antes de ver o fim do líder paraguaio. Dessa maneira, a guerra se arrastou até 1870. Nesse tempo, o Paraguai acabou arrasado, com sua população masculina reduzida a algo em torno de 25% do período que antecedeu o conflito. Perdeu cerca de 40% de seu território e nunca mais recuperou sua economia.

O governo brasileiro, que “coletou voluntários” para a Guerra do Paraguai, prometeu benefícios como plano de carreira aumento de salários, porém nada do que se prometeu foi cumprido. Esse fato arranhou a relação dos militares com o governo.